Riscos e contraindicações da eletroestimulação muscular

A eletroestimulação muscular como qualquer método de treino ou como qualquer sistema de eletroterapia, além de seus benefícios e vantagens (vamos falar sobre isso em outro artigo), tem, é claro, seus riscos, perigos e suas contraindicações, algumas delas parciais e outras absolutas. Qualquer profissional, distribuidor ou usuário deve conhecer essas informações para aconselhar ou praticar com responsabilidade.

Neste artigo, além de explicar os riscos e contraindicações, marcaremos as diferenças em algumas questões entre a eletroestimulação analítica, como por exemplo a marca Compex ou Chattanooga, e a eletroestimulação muscular global, também conhecida como eletrofitness, trajes, jalecos ou coletes para eletroestimulação muscular, ou na literatura científica, eletroestimulação de corpo inteiro WB-EMS.

Curso de electroestimulación aplicada al core por Juan Peris

 

Acredito que antes de entrar no assunto também é muito importante esclarecer as seguintes questões:

  • Todo usuário deve se informar sobre o que compra, um eletroestimulador muscular que oferece garantias deve ter:
  • Gerador de corrente constante
  • Onda retangular, bifásica, simétrica e compensada.
  • Licença de comercialização e um serviço técnico em condições.
  • Nota: este não é um artigo de reclamação ou denuncia e não vamos expandir, mas acreditamos que os usuários devem saber que existem casas comerciais que vendem equipamentos de eletroestimulação que nem sequer têm garantias mínimas de segurança. O presente artigo é desenvolvido com base em marcas sérias e confiáveis. Os riscos adicionais de queimaduras e vários ferimentos mais graves, como consequência do engano de algumas marcas, serão ignorados.
  • Os usuários também devem ser responsáveis pela contratação de serviços relacionados à eletroestimulação muscular e, sempre, exigir profissionais qualificados com formação específica nessa área.

E agora, sem mais demora, vamos lá com os riscos e contraindicações da eletroestimulação muscular:

RISCOS DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR

Ruptura fibrilar:

  • A aplicação da eletroestimulação muscular sem respeitar os critérios de progressão lógicos pode criar um nível de tensão muscular que está ligado, na maioria dos casos, a uma ação dinâmica com aceleração e sobretudo se o grupo muscular em questão está em uma fase excêntrica, poderia produzir uma ruptura fibrilar ou, em casos muito sérios, ruptura muscular.

Rabdomiólise:

  • Realizar um treinamento que exceda a tolerância de um usuário ou atleta pode desencadear uma rabdomiólise, é uma patologia resultante da decomposição excessiva da fibra muscular com liberação do mesmo conteúdo para a corrente sanguínea, em níveis que excedem a capacidade de filtração dos rins produzindo uma saturação que desencadeará os sintomas da rabdomiólise. Dentro desse conteúdo que o músculo libera na corrente sanguínea, existem substâncias que podem ser prejudiciais em determinadas concentrações, notadamente: Mioglobina (proteína) e CPK – Creatina fosfoquinasa (enzima). Para ser diagnosticada rabdomiólise, a concentração de CPK que deve ser analisada no sangue deve ser igual ou superior a 5 vezes superior aos valores normais (0 e 195 UI / L nos homens, 0 e 170 UI / L nas mulheres).

Insuficiência renal aguda:

  • Em casos muito graves de rabdomiólise, uma insuficiência renal poderia ser desencadeada, para esse fim seriam necessárias concentrações de 25.000 UI / L de CPK.

Eletroestimulação analítica vs coletes/jalecos de eletroestimulação:

  • Em qualquer um dos formatos de treino com eletroestimulação as questões de segurança e sucesso das sessões de treino, ou de outro ponto de vista, a probabilidade de sofrer os riscos ou lesões da eletroestimulação recairão sobre o conhecimento, decisões e profissionalismo do treinador/personal trainer, como pode acontecer em qualquer disciplina esportiva. Além disso, é óbvio que se um colete de eletroestimulação estimular mais músculos simultaneamente, a probabilidade de concentrações perigosas de mioglobina ou CPK é maior.
  • Nota importante: qualquer um desses efeitos colaterais indesejados pode ocorrer e ocorre com qualquer atividade esportiva desenvolvida com medidas excessivas e geralmente em situações de desidratação ou acusada pela ingestão de alguma medicação. Portanto, você deve sempre ter um profissional qualificado que faça uma anamnese e planejamento corretos de treinamento. No Instituto Myox, desenvolvemos protocolos de segurança que muitos profissionais em todo o mundo estão realizando com excelentes resultados, até mesmo várias marcas de coletes de eletroestimulação os estão tomando como referência. Recomendamos ler este post do blog: Primeiras quatro sessões com coletes de eletroestimulação.

CONTRAINDICAÇÕES DA ELETROSTIMULAÇÃO MUSCULAR

CONTRAINDICACIONES DE LA ELECTROESTIMULACIÓN

 

Se você é um profissional na área de saúde ou esporte, te interessará esta formação: Curso de eletroestimulação aplicada em cinesiologia e populações especiais. Onde desenvolvemos extensivamente todas e cada uma das contraindicações da eletroestimulação muscular.

 

As contraindicações ao treino com eletroestimulação muscular podem ser derivadas de dois supostos:

  • A contraindicação está no fato de que existe um gerador ou uma corrente elétrica.
  • No esforço físico em si, na maioria desses casos, o raciocínio geralmente é o mesmo que se aplica ao exercício físico em geral.

 

Descrevemos a seguir as possíveis contraindicações com a eletroestimulação muscular, parcial ou absoluta, para o formato analítico ou para os coletes de eletrofitness:

Marca-passo ou desfibrilador Intracardiaco:

  • É considerada uma contraindicação parcial, por exemplo, com eletroestimuladores Compex, devido ao risco de que o impulso elétrico possa ter algum tipo de interação ou interferência no funcionamento normal do marca-passo ou desfibrilador. Considera-se parcial porque a contraindicação está na área do tórax.
  • Do Instituto Myox não aconselhamos de maneira analítica a aplicação nem no tórax, nem no abdômen nem no braço, por estar próximo ao tórax.
  • Quanto aos coletes de eletroestimulação é considerada uma contraindicação absoluta, pois embora os circuitos peitorais não sejam ativados, se houver um eletrodo no tórax, por exemplo, com a própria humidade do traje este eletrodo pode ser acionado. Tenha em mente que se houver um circuito ativo em outra área e houver humidade entre eles existe risco, pois não devemos esquecer que a água é um condutor de corrente e pode ativar os circuitos contraindicados.

Epilepsia:

  • Segundo os especialistas médicos, poderia haver uma hipersensibilidade ao impulso elétrico do eletroestimulador muscular e um quadro de epilepsia aguda poderia ser desencadeado. Portanto, é uma contraindicação absoluta.

Gravidez:

  • Para eletroestimulação em formato analítico é uma contraindicação parcial, uma vez que não poderia ser aplicada na área do abdômen, mas sim no resto do corpo. Apesar disso, do Instituto Myox aconselhamos que não se aplicam no tórax, zona lombar ou nos glúteos pela proximidade tanto com a localização do feto ou a área genital feminina.
  • Em caso de coletes eletroestimulação voltamos na mesma situação que o ponto anterior, não ativar o abdômen não seria suficiente para justificar seu uso, dado o risco por causa da condutividade ou simplesmente um erro humano, pois poderia ativar a área descrita na contraindicação. Nós também temos que acrescentar mais sobre estes coletes eletroestimulação: é uma vestimenta justa com tiras de fixação que pode gerar pressão, também gera muita quantidade de calor durante o treino, estimula uma grande quantidade de massa muscular ao mesmo tempo, então haverá muita demanda sangue nestes músculos, com o risco de produzir uma deficiência de sangue na área abdominal. Em suma, um conjunto de riscos que nos expõem incluso ao perigo de provocar um aborto. É, portanto, uma contraindicação absoluta.

 

Hérnia abdominal ou inguinal e diástase abdominal:

  • A literatura descreve as hérnias abdominais e inguina

is, assim como as diástases como contraindicações da eletroestimulação, neste caso parcial, pois a condição é não aplicar na zona do abdômen. Estamos falando, é claro, de eletroestimuladores do tipo Compex ou Chattanooga.

  • Pelo mesmo critério descrito em pontos anteriores, em relação ao risco acrescentado de um colete/traje de eletrofitness, neste caso seria uma contraindicação absoluta.
  • Essa contraindicação baseia-se na ideia de que as tensões musculares da região abdominal aumentam a pressão intra-abdominal, com o risco de agravar a hérnia.
  • Do Instituto Myox, em nossos cursos eletroestimulação (Myox EMS Core) para profissionais os damos orientações sobre como aplicar a eletroestimulação no abdômen, sobre a colocação do eletrodo, parâmetros elétricos, mas também em termos de posição do usuário ( deitado de boca para cima, a pressão intra-abdominal não afetará tanto a parede abdominal, porque as vísceras internas repousam sobre a coluna devido ao efeito gravitacional); Claro que, com a boa coordenação com a respiração, a reeducação da função abdominal normal, a aplicação de exercícios hipopressivos .. Em suma, fizemos da eletroestimulação um recurso muito útil recuperação ou tratamento de hérnias e diástase abdominal.

 

Colocação dos eletrodos na parte anterior ou lateral do pescoço:

  • Exceto pela intervenção justificada por um especialista, esta área é contraindicada pelos reflexos contráteis que podem ocorrer e pelo risco de afogamento.

Patologias Cardíacas:

  • Contraindicação parcial à aplicação de eletroestimulação em formato analítico na região do tórax, exceto que exista uma avaliação e prescrição médica onde se afirma que não há interação entre os efeitos da eletroestimulação e os possíveis riscos da patologia. Não se esqueça que a eletroestimulação muscular é outro meio de exercício físico e que só é capaz de estimular os músculos esqueléticos.
  • Contraindicação absoluta com coletes de eletroestimulação.

 

Trombose venosa, tromboflebite e obstrução arterial grave:

  • A aplicação de eletroestimulação em membros já afetados ou em risco de produzir algum tipo de trombose ou outro tipo de acidente vascular é totalmente contraindicada. Caso o médico especialista determine, ou simplesmente suspeite, nos valores do hemograma da pessoa em questão que pode sofrer algum tipo de trombose a eletroestimulação muscular é absolutamente contraindicada; devemos ter em mente que a capacidade de mobilizar o fluxo sanguíneo eletroestimulação poderia desalojar um coágulo e causar um trombo, em casos graves, acidente vascular cerebral e até mesmo a morte de uma pessoa.

Problemas circulatórios:

  • Eletroestimulação em qualquer formato é uma contraindicação absoluta em casos de insuficiência venosa crônica com grandes varizes, estamos expostos ao risco de aumento do calibre da veia varicosa e trombose.

Hemofilia (sangramento, forte diátese hemorrágica):

  • Eletroestimulação em qualquer dos seus formatos é uma contraindicação absoluta. É uma doença hematológica hereditária, recebe terapia de reposição dos fatores de coagulação e requer exercício físico, mas não por eletroestimulação, devido ao estresse vascular que poderia ocorrer.

Processos infecciosos ou febris:

  • Em qualquer processo infeccioso ou em situações de febre, o sangue não deve ser aumentado, pois poderia incentivar a propagação da infecção, o exercício físico e, particularmente, a eletroestimulação seria contraindicado Se os patógenos atingissem o coração, uma doença cardíaca grave poderia ocorrer.

Hipertensão arterial

  • Consideramos uma contraindicação absoluta à aplicação da eletroestimulação muscular em pessoas com hipertensão e não estão tratados, pelo simples fato de que durante as mudanças de formação que representam um risco para o nosso cliente ou paciente pode ocorrer.
  • Em contraste, quando a hipertensão é tratada, os termos em que falamos são muito diferentes. Para o conhecimento do nosso leitor, se considera hipertensão quando os níveis de pressão sanguínea sistólica e diastólica são mantidos elevado, ou seja, acima de 149 a 95 mmHg. Neste caso, sabemos que o exercício físico melhora a capacidade cardiovascular, e entendendo a eletroestimulação muscular como um meio de exercício físico, é claro, de forma ativa. No entanto, a partir do Instituto Myox consideramos hipertensão uma contraindicação parcial para eletroestimulação muscular, pois deve ser aplicável apenas nas seguintes circunstâncias:
  • Se realize sob a supervisão de um profissional qualificado,
  • Se evitem isométricos, ou são muito curtos e controlados,
  • Se é supervisionado em todos os momentos em que o usuário não realize apneias durante o esforço.

Doenças neurológicas graves:

  • A eletroestimulação muscular é absolutamente contraindicada em qualquer um dos seus formatos. Recomendamos, em qualquer caso, estudar cada doença e cada caso de uma maneira particular, porque, por exemplo, vários estudos mostraram os benefícios da eletroestimulação muscular em pacientes com esclerose múltipla.

Câncer ou doenças tumorais:

  • Os efeitos da eletroestimulação muscular nos casos de câncer são desconhecidos, além de apresentar uma enorme quantidade de tipologias e variáveis. O risco está no medo de que o aumento vascular produzido pela eletroestimulação muscular possa favorecer a metástase. Como precaução, consideramos a eletroestimulação muscular uma contraindicação em casos de câncer.

Patologias inflamatórias e doenças autoimunes

  • O exercício físico moderado é indicado nesta série de patologias e, como tal, a eletroestimulação muscular também seria, mas continuamos a considerá-lo uma contraindicação parcial, uma vez que só poderia ser aplicada sob estas suposições:
  • Se é feito sob a supervisão de um profissional qualificado,
  • O exercício deve ser sempre aplicado de forma moderada, respeitando especificamente os protocolos de segurança Myox EMS na eletroestimulação, devendo-se levar em conta que o exercício de alta intensidade ou alto impacto fisiológico produz um estresse no organismo que poderia causar uma depressão do sistema imunológico, nada conveniente para pessoas que já sofrem de doenças autoimunes, ou patologias inflamatórias cuja origem é autoimune, por exemplo, a inflamação das articulações da poliartrite.

 

Diabetes:

  • O exercício físico regular é considerado um componente importante no tratamento de todos os tipos de diabetes e deve ser prescrito pelas mesmas razões que devem ser incentivadas na população geral, o exercício físico diminui a resistência à insulina, aumentando sua eficácia. E é que a eletroestimulação muscular, como já dissemos várias vezes neste artigo, é considerada um outro meio de exercício físico, para que você possa dar esses mesmos benefícios, de fato por ter mostrado vários estudos científicos em que concluiu que “após a aplicação de um período de treinamento com eletroestimulação muscular, os níveis basais de glicose no sangue diminuíram significativamente, bem como os valores de hemoglobina glicosilada” (Van Buuren et al, 2015).
  • Apesar do exposto acima, a eletroestimulação muscular deve ser considerada uma contraindicação parcial em pacientes com diabetes, devido ao seguinte:
  • Você não pode dar “caminho livre” para o seu uso generalizado, ele deve ser supervisionado por profissionais qualificados
  • As possíveis neuropatias da diabetes podem causar um déficit sensível que altera o feedback dada a intensidade aplicada com o eletroestimulador. Portanto, o profissional deve ter mais recursos de avaliação, estratégias que ensinamos em nossos cursos de eletroestimulação muscular: avaliação por palpação, avaliação visual do nível de contração gerada, análise do alcance articular ou gesto técnico, entre outros.
  • As doses de exercícios devem ser controladas muito bem, pois o choque hipoglicêmico pode ser desencadeado.
  • Outras precauções a serem tomadas:
  • Verifique se os níveis de glicemia antes da sessão de eletroestimulação, se estiverem entre 100 e 150 mg / dl, são considerados ideais para o treinamento.
  • A insulina nunca deve ser injetada em nenhum dos grupos musculares que serão estimulados
  • controlar a glicemia durante e após o treinamento de eletroestimulação
  • Em caso de uma sessão prolongada, é aconselhável tomar um suplemento de hidratos de carbono
  • hidratação adequada principalmente a partir de duas horas antes de se submeter à sessão de treinamento e durante a prática esportiva

Irritação da pele, queimaduras ou feridas

  • No caso de qualquer tipo de lesão cutânea, nenhum tipo de eletrodo pode ser aplicado, e também casos de intolerância cutânea, como alergias e irritações da pele, devem ser levados em consideração. O circuito elétrico deve ser aplicado evitando essa área, sendo então uma contraindicação parcial para a eletroestimulação analítica.
  • Para jalecos ou coletes de eletroestimulação, tudo vai depender das características e possibilidades do fato.

 

 

Depois de toda essa exposição de riscos e contraindicações de eletroestimulação muscular queremos chamar a atenção sobre uma ideia: “não trabalhamos com patologias, trabalhamos com pessoas” o que quero dizer com isso? Que um quadro patológico não precisa ser o mesmo para duas pessoas, há uma idade, um sexo, uma história, um medicamento, talvez outras doenças associadas, enfim, sempre e repito SEMPRE se deve consultar o médico especialista quando receber um cliente ou paciente que apresentar qualquer uma das patologias descritas acima. Também casos de grupos especiais ou questões não consideradas patológicas, ao menor risco, devem ser sempre com a opinião de um médico. Além disso, obviamente, uma anamnese ou estudo inicial deve sempre ser realizado de nossa parte.

 

Meu nome é Juan Peris, especialista em eletroestimulação, espero ter resolvido muitas dúvidas com este artigo sobre “riscos e contraindicações“, você pode deixar seus comentários e dúvidas abaixo. Obrigado

Deja tu comentario

WhatsApp chat