Eletroestimulação durante a amamentação e pós-parto

ÁUDIO DO ARTIGO:

Uma mulher pode treinar com eletroestimulação muscular durante o período da amamentação? Bem, vamos fazer uma análise dos benefícios e riscos da eletroestimulação e chegar a conclusões:

A primeira coisa que devemos fazer é nos referir ao exercício físico durante a amamentação, isso é realmente uma boa prática, pois entre muitos outros benefícios ajudará a mãe a recuperar sua figura e se sentir bem..

 

De fato, o recomendável é que se realize um programa de exercícios especiais para o pós-parto, que deve incluir entre outras coisas o treinamento hipopressivo. Como a eletroestimulação muscular é nossa especialidade e é o assunto deste artigo, informamos que o desempenho e os benefícios dos hipopressivos podem ser maximizados através da aplicação adequada da eletroestimulação muscular (você pode estar interessado em ler este fórum em que eletroestimulação é imposta como meio de favorecer a recuperação da diástase).

Se você é um profissional, seguramente te interesse essa  formação : ELETROESTIMULAÇÃO NA SAÚDE DAS COSTAS

 

Bem, sabemos que o exercício físico é saudável também em períodos de amamentação, mas é claro, as coisas não são tão simples e devem se levar em conta as peculiaridades não só dos possíveis efeitos de um treinamento, mas da própria mulher, então vamos falar sobre as precauções que devem ser levadas em conta.Você vai entender, no final deste artigo, que tudo isso é aplicável à eletroestimulação muscular:

  • Uma mulher pelo simples fato de amamentar seu bebê já estará consumindo 400 a 500 calorias por dia, portanto, você não deve realizar um treinamento exaustivo que produza uma alta ingestão calórica. Agora há um novo protagonista, e a mãe deve estar perfeitamente energizada para alimentá-lo.
  • Relacionado ao ponto anterior, continuamos … o exercício físico deve ser moderado, já que o corpo da mãe requer calorias / energia para fabricar o leite necessário para seu bebê , além disso deve manter um ótimo nível de hidratação para garantir a qualidade deste leite.
  • Devemos evitar exercícios com impactos como pular, correr, pelo menos durante as primeiras semanas. Devemos permitir que o corpo rearmonize seu tônus muscular e “posicionamento” dos órgãos internos, também a recuperação do tônus normal do assoalho pélvico. Por tudo isso, os hipopressivos nos ajudarão.

  • O trabalho postural é importante, pois durante a gestação houve uma “alteração” na distribuição das cargas e terá provocado, provavelmente, alterações posturais na mulher. Ponto importante: a eletroestimulação muscular é uma excelente ferramenta para treinar a postura.
  • Muito importante: o treinamento de alta intensidade deve ser evitado, pois gera acidez muscular como resultado do esforço que através da corrente sanguínea poderia acidificar o leite e causar uma rejeição no bebê.

Em resumo, se aconselha doses de exercício físico moderado e personalizado. E agora, falaremos especificamente sobre eletroestimulação, vai ser fácil depois de tudo já explicado:

  • A eletroestimulação muscular é outro meio de exercício físico, portanto, aplica-se a todas e cada uma das precauções já descritas.
  • Devemos entender que a eletroestimulação muscular não tem os efeitos centrais que tem o exercício físico tradicional, por si mesma, obviamente sim em combinação. Digo isso porque seria um erro em um treinamento com eletroestimulação muscular medir o nível de esforço ou treinamento pela frequência cardíaca, e é que, como a eletroestimulação não produz grandes efeitos centrais, poderíamos estar produzindo dano muscular maior do que o nível de demanda que supostamente estaríamos interpretando pela frequência cardíaca. E é precisamente esse dano muscular que produziria a acidez acima mencionada.
  • Deve-se ter em mente que a eletroestimulação muscular tem a capacidade de recrutar fibras musculares superiores ao treinamento voluntário, de modo que o estresse muscular que pode produzir é maior e consequentemente, a famosa acidez muscular. Então devemos aplicar baixas intensidades.
  • Em relação ao ponto anterior, vamos tomar precauções especiais com os músculos peitorais pela proximidade dos alvéolos mamários, temos mais risco de acidificar o leite. Recomendamos evitar a eletroestimulação muscular nessa área e aplicar outro tipo de exercício, a menos que seja supervisionado por um profissional e sua aplicação seja justificada.
  • Aconselhamos que, com ou sem eletroestimulação, evitar as fases musculares excêntricas, pois é o tipo de contração muscular que produz mais estresse e poderiam liberar maiores niveis CPK e mioglobina.
  • Por fim, recomendamos que a eletroestimulação muscular seja aplicada localmente, não sendo recomendados trajes ou coletes de eletroestimulação nestes períodos, a menos que o profissional tenha o controle e conhecimento para ativar apenas o circuito muscular que deseja estimular. Deve-se ter em mente que um colete de eletroestimulação pode ativar uma grande quantidade de massa muscular simultaneamente, ou seja,  maior número de músculo se libera mais CPK, mioglobina e aumentar o risco de acidificação do leite com a consequente rejeição que pode ocorrer no bebê.

  • Falando em programação de equipamentos de eletroestimulação, será sempre melhor fazê-lo abaixo de 30 Hz para estimular a fibra lenta. Lembre-se que esta fibra funciona aerobicamente e, portanto, nos impede em maior medida da liberação de acidez pelo músculo.

Esperamos que através deste artigo esclarecer as dúvidas ou medos que muitos terão em relação à eletroestimulação durante os períodos de amamentação. Então você pode deixar seus comentários.

Juan Peris

juan@juanperis.fit

Deja tu comentario

WhatsApp chat